quarta-feira, 12 de agosto de 2009

CIDADE QUALQUER

Circulo entre ruas
becos e vielas,
e observo a sua arquitetura
desordenada e caótica,
tão caótica e desordenada
como a vida dos seus moradores
que habitam esse caos urbano,
ante o olhar impiedoso
dos indiferentes que trafegam
ruas paralelas
como se ali existisse
um mundo paralelo e invisível.
Circulo entre a rudeza dos arranha-ceus
frias caveiras arquitetônica
que espalhados cidade afora
embaralham meus olhos
exautos e atônitos.
Circulo entre a sua gente apressada,
envolta em suas preocupações,
seus loucos maltrapilhos e falantes,
suas moças que oferecem seus corpos
nas esquinas,
camelôs infalamados anunciando
o seus produtos,
e letreiros luminosos em apelos comerciais,
lembram que a cidade
é uma torre de babel humana
até as últimas consequências.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

ATRZ

Venha que a platéia te espera
para rir com a sua graça
e chorar com o seu drama.
Sei que apenas representa o seu papel,
Não importa,
fazemos de conta que tudo é real
embora seja ilusão,
personagem vira gente de verdade.
Hoje pode ser prostituta,
amanhã burguesa,
suburbana, mendiga
enfim todas as mulheres em um corpo só.
Mas quanta generosidade em assumí-las!
Por isso para sempre seja louvado
o seu ofício.

TARDE QUALQUER

Estou deitado vendo TV
e ouvindo as babaquices
do apresentador gordo,
entrevistando uma loura burra
com ares de celebridade.
Desligo a Tv,
ligo o rádio para ouvir o futebol,
e as asneiras do locuter
tentando fazer do cabeça de bagre
um craque da bola.
Abro a janela e vejo os crédulos
passarem indo à igreja
a expiar os pecados
e acertar as contas com Deus
e depois dormir o sono dos justos.
Volto à Tv do mesmo apresentador
e suas babaquices
que agora solta gargalhadas
do ridículo alheio.




IMITAÇÃO 2

Quando nasci
minha nãe diss:
vai filho ser poeta
na vida.
Cá estou.