quinta-feira, 11 de agosto de 2011

POESIA

Poesia, porque foste embora?
Fugiste de mim, por quê?
Há dias que eu te procuro,
em vão.
Passo dias e noites a buscar por ti,
porém não vieste.
Por acaso,posso viver sem ti?
por favor, apareça.

JEITO ESTRANHO

Se os meus gases
de repente
invadir as suas narinas,
do mais fétido odor,
não se espante
e nem me condene;
isso é só para dizer
mesmo que pareça bizarro,
que eu vou estar em você
até na hora das minhas flatulências.